quinta-feira, 26 de agosto de 2010

NO FUNDO D'UM OLHO SECO


http://www.livropronto.com.br/produtos_descricao.asp?lang=pt_BR&codigo_produto=385






 




Enfim o livro parido, obrigada a todos que ajudaram com apoio, amor, incentivo...
Grata por toda a energia  positiva enviada para que eu pudesse ter forças e superar os obstáculos.
Bitokitas de toda a Luz!

Elza Fraga

5 comentários:

  1. Oi, Assis, brigadim, valeu mesmo!
    Precisava colocar este livro a Luz, rsrs.
    Já plantei a(s) árvore(s), já tive
    filhos, faltava parar de Antologias
    e ir pro trabalho solo.
    Dorido, mas realidade agora.
    Bitokitas do meu afeto.

    ResponderExcluir
  2. Parabéns Elza. Teus textos são muito bons. Merecido trabalho publicado.
    Salut.

    ResponderExcluir
  3. Brigadim, Luciano.
    A força de vcs
    foi a alavanca que fez o livro pular
    pra Editora, rs.
    Agora é dar continuidade ao de contos espiritualistas pra jovens e crianças.
    Este que saiu é muito realidade,
    é forte, duro, ácido.
    Preciso agora mudar de assunto, rsrs.

    Bitokitas, luz e sucesso procê.

    ResponderExcluir
  4. Olá, desculpe invadir seu espaço assim sem avisar. Meu nome é Nayara e cheguei até vc através do Blog ponto final. Bom, tanta ousadia minha é para convidar vc pra seguir um blog do meu amigo Fabrício, que eu acho super interessante, a Narroterapia. Sabe como é, né? Quem escreve precisa de outro alguém do outro lado. Além disso, sinceramente gostei do seu comentário e do comentário de outras pessoas. A Narroterapia está se aprimorando, e com os comentários sinceros podemos nos nortear melhor. Divulgar não é tb nenhuma heresia, haja vista que no meio literário isso faz diferença na distribuição de um livro. Muitos autores divulgam seu trabalho até na televisão. Escrever é possível, divulgar é preciso! (rs) Dei uma linda no seu texto, vou continuar passando por aqui...rs


    Narroterapia:
    Uma terapia pra quem gosta de escrever. Assim é a narroterapia. São narrativas de fatos e sentimentos. Palavras sem nome, tímidas, nunca saíram de dentro, sempre morreram na garganta. Palavras com almas de puta que pelo menos enrubescem como as prostitutas de Doistoéviski, certamente um alívio para o pensamento, o mais arisco dos animais.

    Espero que vc aceite meu convite e siga meu blog, será um prazer ver seu rosto ali.
    http://narroterapia.blogspot.com/

    ResponderExcluir